FacesUtils: sua classe de utilidades

Um boa prática quando trabalhamos com JSF é tentar manter nossos managed beans o mais simples possível, de tal forma que ele expresse apenas os dados e eventos das nossas páginas. Uma das maneiras de obter isso é isolando a API do próprio JSF através de uma classe de utilidades, também conhecida como FacesUtils.

No blog dos desenvolvedores e instrutores da TriadWorks nós abordamos o assunto e levantamos bons motivos do porquê você precisa ter uma classe desse tipo no seu projeto! Na FacesUtils normalmente encontramos métodos para lidar com a árvore de componentes, busca e renderização de componentes, navegação entre páginas e muito mais.

Vale muito a pena a leitura!

Criando e gerenciando objetos de terceiros com Spring e @Bean

Umas das premissas mais importantes quando trabalhamos com algum framework IoC/DI, como Spring ou CDI, é delegar a criação e o gerenciamento dos objetos para seus containers. Isso permite que nosso código seja mais flexível e menos acoplado a lógica de criação de objetos complexos ou de terceiros.

Assim como a anotação @Produces do CDI, o Spring desde sua versão 3.0 nos permite obter o mesmo comportamento através da anotação @Bean. A idéia é a mesma, criar objetos caros, complexos ou de outros frameworks e registrá-los no container para que eles possam ser injetados como dependências noutras classes do sistema.

Escrevi um artigo no blog da TriadWorks sobre o assunto com mais detalhes sobre a anotação @Bean e suas vantagens. Vale a pena a leitura e uso da prática!

Conversores e validadores acessando beans do Spring

Não é incomum ter conversores ou validadores do JSF que precisem acessar o banco de dados ou mesmo outros recursos do sistema, como um webservice, por exemplo. A verdade que esta prática é muito utilizada quando implementamos nossos entity converters. Quando trabalhamos com Spring ou CDI nós temos todo o poder de um container de IoC/DI, o que nos possibilita injetar beans gerenciados em nossas classes ou mesmo managed beans. Contudo a especificação do JSF 2.x ainda não tem um suporte decente de DI para conversores, validadores e alguns outros componentes internos do framework.

Para contornar essa limitação, podemos gerenciar os conversores do JSF com o container do Spring ou CDI. Dessa forma ganhamos a possibilidade de injetar qualquer bean dentro dos conversores e aplicar qualquer recurso extra do container, segurança, caching, controle transacional etc. Para saber mais detalhes sobre como injetar beans em seus validadores ou conversores, não deixe de ler o último post de 2014 no blog dos desenvolvedores da TriadWorks.