2o Mau Habito Dos Desenvolvedores JSF

Método getter invocado múltiplas vezes?

Você sabia que uma simples consulta ao banco de dados colocada no método errado do seu managed bean pode tornar suas páginas 10x mais lentas?

Entre 2008 e 2014 eu palestrei em diversos lugares do Brasil sobre os 10 maus hábitos dos desenvolvedores JSF, e sem dúvida um dos problemas mais comuns que encontrei durante estas palestras conversando com profissionais, em consultorias e treinamentos foi o 2o mau hábito: colocar lógica cara em métodos getters.

Provavelmente você já caiu neste 2o mau hábito ou conhece alguém que tenha caído, de qualquer forma, podemos simplificá-lo com um simples trecho de código. Por exemplo, um problema grave pode estar num simples método getter:

public List<Produto> getProdutos() {
    return this.dao.lista(); // lista produtos do banco
}

Apesar deste método parecer inofensivo ele pode tornar sua página até 10x mais lenta para abrir no navegador! Caso duvide ou queira entender por que ele pode ser tão perigoso para sua aplicação, eu recomendo a leitura do meu novo post:

>> JSF: Não coloque processamento caro em métodos getters

Colocar consultas dentro de getters é tão perigoso que, na maioria dos casos, além de impactar diretamente na aplicação Java ele impacta no banco de dados pois este é bombardeado com inúmeras consultas.

E aí, o que achou da dica?

Deixe seu comentário, e se tiver algum amigo que curte meter consultas em getters por comodidade, eis a chance de convence-lo do contrário.

O perigo do relacionamento bidirecional com JPA e Hibernate

Eu já bati muito a cabeça com JPA e Hibernate para aprender que relacionamento bidirecional no geral atrapalha mais do que ajuda. A verdade é que deveríamos evitar relacionamento bidirecional (o tal do mappedBy) sempre que possível. Ele só deveria ser utilizado em último caso, quando realmente não tiver para onde correr…

Por exemplo, será que o código abaixo funcionaria em um relacionamento bidirecional?

Item curso = new Item("Curso de Java e Orientação a Objetos", 1);

Carrinho carrinho = dao.buscaPor(id);

carrinho.getItens().add(curso);

dao.atualiza(carrinho);

E se eu te dissesse que NÃO? Esse código não funcionaria!

Quando trabalhamos com bidirecional somos obrigados a escrever um código mais complicado para manter a consistência entre as entidades, o que nem sempre é fácil. Para entender do que estou falando dá uma lida no novo post do blog da TriadWorks:

>> JPA: por que você deveria evitar relacionamento bidirecional

Se você ainda insistir em usá-lo nos post acima eu te dou algumas dicas de orientação a objetos (ENCAPSULAMENTO, tan dãn!!) para manter a consistência do relacionamento. Dessa forma você diminui as chances de ter dor de cabeça.

E aí, o que achou do post?

Cuidado com o timezone ao trabalhar com JSF 2

Se você, assim com eu, é um desenvolvedor Web então há grandes chances de você já ter gravado data e hora errada no banco de dados por causa do fuso horário (timezone), certo? Esse problema é muito comum quando desenvolvemos sistemas para Web, mas ele parece ser um pouco mais rotineiro ao trabalhar com JSF pois ele define um fuso horário padrão para seus conversores de data: UTC.

Apesar da boa intenção do JSF, essa definição padrão acaba complicando nossa vida e pior, só percebemos esse problema em produção, quando os dados já foram corrompidos – aí já era, né!. Mas não se preocupe, existem algumas práticas com JSF que podem te ajudar a contornar de forma simples e prática:

http://blog.triadworks.com.br/jsf-conversao-de-datas-e-problemas-com-fuso-horario

Além de entender o problema e aprender a resolvê-lo você também aprende algumas boas práticas sobre como trabalhar com fuso horário na sua aplicação Web, pois gerenciar múltiplos fusos horários não é tarefa trivial.