Enums são objetos com estado e comportamentos

Eu não sei você, mas por muito tempo eu subestimei e encarei as enums no meu código apenas como simples constantes…

public enum TipoDeDocumento {

    RG,
    CPF,
    CNPJ;
}

Isto foi um grande erro, pois enums são tão poderosas quanto objetos Java… na verdade, enums são objetos e você deveria encará-las dessa forma! Tratá-las apenas como substitutos para uma lista de constantes do tipo int ou String é ignorar todo o potencial das enums e da orientação a objetos no seu código!

Uma enum pode ser tão completa quanto um objeto Java qualquer, isto é, uma enum pode ter dados (estado) e comportamentos. O código a seguir com uma enum possuindo estas características pode te dar uma idéia sobre o que estou falando:

public enum TipoDeDocumento {

    RG("RG", new ValidadorDeRg()),
    CPF("CPF", new ValidadorDeCpf()),
    CNPJ("CNPJ", new ValidadorDeCnpj());

    private String descricao;
    private Validador validador;

    private TipoDeDocumento(String descricao, Validador validador) {
        this.descricao = descricao;
        this.validador = validador;
    }

    /**
     * Valida número do documento
     */
    public boolean valida(String numero) {
        return this.validador.isValido(numero)
    }
}

Talvez só olhando o código não seja fácil compreender o poder das enums, então para você entender o que eu estou falando realmente eu te convoco a dar uma olhada nesse novo post no blog da Triadworks:

>> Enums são mais que constantes

O post também aborda algumas práticas sobre orientação a objetos que deixamos de usar por não compreender que enums são objetos com dados e comportamentos.

E aí, o que achou do post?

Identidade da Entidade

Defina a identidade da sua entidade

Um dos princípios básicos da orientação objetos é que toda entidade deve ter um identidade. Esse princípio é tão importante que se não o levarmos a sério podemos ter problemas nas nossas lógicas de negócio e muitas vezes nos frameworks que trabalhamos, como JSF ou JPA/Hibernate.

Na linguagem Java a identidade de um objeto é definida através do métodos equals e hashCode. Implementá-los de forma correta pode evitar problemas quando trabalhamos com componentes de seleção no JSF (como h:selectOneMenu ou h:selectManyMenu) ou quando implementamos nossos conversores genéricos de entidades, por exemplo!

Para melhor entender a necessidade de definir a identidade de suas entidades, você pode ler meu post no blog dos desenvolvedores e instrutores da TriadWorks! Lá além de abordarmos temas como design de classes e Domain-Driven Design (DDD), nós também comentamos sobre algumas boas práticas quanto a maneira correta de implementar os métodos equals e hashCode ao trabalhar com Hibernate!

O excesso de ifs no seu código JavaScript

O excesso de ifs no código é comum quando trabalhamos com JavaScript e parece normal e imprescindível em muitos casos, mas na verdade é um problema que pode trazer maus cheiros, como repetição de código, falta de legibilidade e prejudicar diretamente na manutenção do software.

Para resolver isso sem muito esforço, podemos usar práticas e princípios de orientação a objetos, como polimorfismo e herança. Em linguagens dinâmicas (como JavaScript, Ruby e Python) nós podemos tirar vantagens da linguagem e utilizar uma técnica mais simples porém tão poderosa quanto polimorfismo, neste caso, Duck Typing.

Para entender o uso da técnica de duck typing e remover o aglomerado de ifs do seu código, você pode ler o artigo no blog dos desenvolvedores da TriadWorks. Através de um exemplo prático e didático fica fácil enxergar a problemática e a solução com o uso de duck typing.

Este problema não só ocorre com JavaScript, mas com várias outras linguagens e paradigmas, inclusive com Java. Por esse motivo, é importante entender como podemos melhorar a qualidade do nosso código com práticas de orientação a objetos!